Desfecho reprodutivo, distúrbios do crescimento e lesões placentárias em gestantes infectadas pelo HIV no Espirito Santo

Resumo: Uma dificuldade comum aos estudos do crescimento fetal e placentário é a necessidade de controlar os resultados não somente para comorbidades que afetam o crescimento e são comuns nas gestações em geral e na condição de infecção pelo HIV (hipertensão arterial, fumo, diabetes, uso de drogas ilícitas, malformação fetal e sífilis congênita), como também para o uso de TARV. Em estudo com casuística de hospital universitário em Vitória, REIS et al 2015 encontraram evidências de restrição de crescimento do peso fetal de filhos de gestantes infectadas pelo HIV, em uso de antirretrovirais e de baixa renda. Por estas razões e porque há evidências que o crescimento pós-natal de filhos de gestantes infectadas pelo HIV, mesmo sem TV, demoram ou não atingem os valores esperados, justificam-se novos estudos do crescimento fetal e placentário em gestantes HIV. No Hospital Universitário Cassiano Antonio Moraes (HUCAM), há grande casuística de gestantes infectadas pelo HIV com anexos fetais encaminhados para exame anatomopatológico, o que permite a realização deste estudo. O objetivo deste estudo é descrever o desfecho reprodutivo e sua relação com as lesões placentárias em gestantes infectadas pelo HIV com terminação em hospital público de Vitória, Espírito Santo, entre 2001 a 2016. Trata-se de estudo retrospectivo descritivo em amostra de série de casos realizado no Unidade de Anatomia Patológica do HUCAM (UAP/HUCAM). A casuística inclui placentas de terminações de gestantes infectadas pelo vírus HIV no período de 2001 a 2016. Os casos serão selecionados dentre as gestantes com terminação na maternidade do HUCAM entre 2001 e 2016, de acordo com os seguintes critérios: (a) Infecção pelo HIV diagnosticada em qualquer momento (antes, durante ou no puerpério imediato) do ciclo gravídico-puerperal; (b) Idade Gestacional (IG) igual ou maior que 154 dias (22 semanas) pós-menstruais; (c) Anexos fetais encaminhados para exame anátomo-patológico rotineiro na UAP-HUCAM. Estima-se que dentre os 320 casos identificados preliminarmente, até 22 de outubro de 2016, nas requisições de exame dos anexos fetais e nos prontuários do Ambulatório de Ginecologia do HUCAM e notificações de gestante HIV e de crianças expostas ao HIV do Núcleo de Epidemiologia Hospitalar do HUCAM (NEH-HUCAM), cerca de 268 casos atendem aos critérios deste estudo.

Data de início: 2018-01-02
Prazo (meses): 36

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Aluno Doutorado Helena Lucia Barroso dos Reis
Coordenador Angelica Espinosa Barbosa Miranda
Pesquisador Paulo Roberto Merçon de Vargas
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105