Avaliação da relação DA densidade de vetores E DA presença de A. aegypti infectados COM a ocorrência de dengue na cidade de Vitória

Nome: Mariela Pires Cabral Piccin
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 26/04/2013
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Elenice Moreira Lemos Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Elenice Moreira Lemos Orientador
Ethel Leonor Noia Maciel Examinador Interno
Fausto Edmundo Lima Pereira Suplente Interno
Regina de Pinho Keller Suplente Externo
Ricardo Tristão Sá Examinador Externo

Resumo: A dengue é uma doença febril aguda causada pelo DENV, o qual agrupa quatro sorotipos distintos. Sua transmissão se dá pela picada de fêmeas de mosquitos do gênero Aedes, sendo o Aedes aegypti o principal vetor de importância epidemiológica. O controle do vetor e a vigilância epidemiológica são as principais ferramentas para a contenção de novas epidemias. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar a correlação entre densidade de vetores e presença de A. aegypti infectados com a ocorrência de dengue em Vitória, durante a epidemia de 2011. Para isso, foram analisados casos confirmados laboratorialmente e notificados no SINAN, bem como os dados fornecidos pelo programa MI DENGUE. Para a identificação dos sorotipos circulantes, foram realizados ensaios de RT PCR tanto com amostras de soro humano quanto com amostras de A. aegypti capturados na cidade. Foi também realizado o geoprocessamento, por bairro, dos casos humanos, da densidade de vetores e das armadilhas contendo A. aegypti infectados. Os resultados mostraram uma ligeira predominância do sexo feminino na amostra analisada e que 64,18% dos casos ocorreram em pessoas acima de 18 anos. A maioria dos casos de dengue observados foi classificada como dengue clássica, enquanto cerca 10% foram classificados como dengue grave. Em 8,23% dos casos houve a ocorrência de internação e dois óbitos foram contabilizados durante o período. Por meio da análise temporal, foi visto que o aumento da densidade de vetores ocorreu nas épocas mais quentes e chuvosas, e precedia o aumento do número de casos humanos. Não foi encontrada correlação entre a densidade de vetores e a incidência de dengue nos bairros, porém foi visto que os bairros onde foram encontrados mosquitos infectados possuíam maior incidência de dengue que os bairros sem mosquitos infectados. O principal sorotipo circulante em Vitória, em 2011, foi o DENV-1 seguido pelo o DENV-2. Portanto, este estudo demonstra que, tão importante quanto monitorar a densidade de vetores, é investigar a presença de vetores infectados nas cidades com o objetivo de predizer possíveis epidemias de dengue.
Palavra chave: Dengue. Aedes aegypti. Sorotipos. Características epidemiológicas. Geoprocessamento. Vitória.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105