Classificação morfológica, genotipagem e avaliação da patogenicidade de isolados clínicos e ambientais de Acanthamoeba em Vitória e região metropolitana (ES).

Nome: Cynara Oliveira Possamai
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 28/08/2012
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Cinthia Furst Leroy Gomes Bueloni Orientador
Fausto Edmundo Lima Pereira Co-orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Adriana Oliveira Costa Examinador Externo
Aloísio Falqueto Examinador Interno
Angelo Ferreira Passos Suplente Externo
Blima Fux Suplente Interno
Cinthia Furst Leroy Gomes Bueloni Orientador
Fausto Edmundo Lima Pereira Coorientador

Resumo: O gênero Acanthamoeba compreende protozoários anfizóicos que estão presentes nos mais diversos ambientes, podendo causar no homem doenças graves, como a ceratite amebiana e a encefalite amebiana granulomatosa. A sua patogenicidade não é inteiramente conhecida, assim como os fatores que determinam a infecção. Para isso, marcadores vêm sendo investigados na tentativa de mensurar a virulência de linhagens dessa ameba. Com o objetivo de esclarecer alguns aspectos biológicos e moleculares de Acanthamoeba, isolados clínicos e ambientais foram obtidos e caracterizados por análise morfológica, molecular e testes de patogenicidade. Foram coletadas amostras de raspado de córnea de pacientes com suspeita de ceratite amebiana e amostras ambientais provenientes de poeira, solo, piscina, água tratada, água do mar e água de inundação, em Vitória e região metropolitana (ES). Todas as amostras foram cultivadas em meio ágar soja. Além da cultura, as amostras de raspado de córnea também foram coletadas em salina de Page e submetidas a uma reação de semi-nested PCR. Culturas positivas para Acanthamoeba, identificadas com base na morfologia dos cistos e trofozoítos, foram selecionadas, clonadas e classificadas nos grupos morfológicos I, II ou III. Para a confirmação do gênero Acanthamoeba dos clones foi realizada PCR com iniciadores gênero-específicos do gene 18S rDNA. A genotipagem dos isolados foi realizada a partir do sequenciamento parcial deste mesmo gene e o potencial patogênico dos isolados clonados foi avaliado por meio de testes de termotolerância e de osmotolerância. Foram coletadas em ágar 90 amostras ambientais, 16 de raspado de córnea e 9 de lentes de contato (LC). Destas, 37 (32 ambientais, 4 clínicas e 1 de LC) foram positivas para Acanthamoeba, sendo obtidos 28 clones (24 ambientais, 3 clínicos e 1 de LC). Desses, 26 apresentaram características morfológicas do grupo II, um do grupo I (solo) e um não foi classificado de acordo com os parâmetros morfológicas de classificação. A PCR confirmou a identificação genérica de todos os isolados obtidos, sendo que os clínicos, o de LC e a maioria dos ambientais sequenciados foram classificados como pertencentes ao genótipo T4. Dentre os isolados ambientais, dois foram agrupados no genótipo T11 (piscina) e um no T1 (poeira). A partir dos testes de termotolerância e de osmotolerância, todos os isolados clonados, clínicos e ambientais, foram considerados potencialmente patogênicos, pois, embora o crescimento à concentração de 1M de manitol não tenha sido observado em todos os isolados, todos cresceram a 37°C. Os resultados deste estudo pioneiro no Espírito Santo confirmam a predominância do grupo morfológico II e do genótipo T4 em isolados clínicos e ambientais de Acanthamoeba e relata no Brasil o isolamento de Acanthamoeba pertencente ao genótipo T1. Este trabalho demonstra também a presença de isolados potencialmente patogênicos no ambiente, inclusive em amostras de água do mar e de água de inundação, o que pode representar um fator de risco para o desenvolvimento de infecções causadas por Acanthamoeba. Além disso, a metodologia utilizada neste estudo poderá ser utilizada para um diagnóstico mais rápido, sensível e específico de ceratite por Acanthamoeba.

PALAVRAS CHAVES: Acanthamoeba, isolamento, genotipagem, termotolerância, osmotolerância.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105