Avaliação da sensibilidade de diferentes testes diagnósticos para a Dengue

Nome: Camila Giuberti de Souza
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 24/05/2012
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Reynaldo Dietze Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Elenice Moreira Lemos Coorientador
Fausto Edmundo Lima Pereira Examinador Interno
Luiz Carlos Pedrosa Valli Examinador Externo
Moises Palaci Suplente Interno
Reynaldo Dietze Orientador

Resumo: Atualmente, a Organização Mundial da Saúde considera o dengue como a mais importante doença viral transmitida por mosquitos e estima em 50 milhões o número de novas infecções a cada ano no mundo. A expansão mundial do dengue e a demanda por testes diagnósticos rápidos, específicos e de execução simples, aumentaram o número de novos testes disponíveis no mercado. Sabe-se que para uma melhor utilização dessas ferramentas, é fundamental sua avaliação nos diversos cenários clínicos, epidemiológicos e laboratoriais. Este trabalho teve por objetivo avaliar sete testes laboratoriais para o diagnóstico de dengue. As sensibilidades encontradas para os testes imunocromatográficos baseados na detecção de NS1 encontradas foram: 24,5% [16,2-34,4] para o Dengue Duo (Bioeasy) e 29,8% [20,8-40,1] Dengue NS1 Ag Strip (Bio-Rad). Para os testes ELISA NS1 as sensibilidades encontradas foram 43,6% [33,4-54,2] para Dengue NS1 ELISA Test (Bioeasy) e 54,3% [43,7-64,6] para PlateliaTM Dengue NS1 Ag-ELISA (BioRad). O teste NS1 que apresentou maior sensibilidade na fase aguda da doença foi o PlateliaTM (54,3%). Para todos os testes NS1 observou-se maior sensibilidade para o sorotipo 1 quando comparado com os demais sorotipos, e para o PlateliaTM, a presença de IgG influenciou negativamente na sensibilidade do teste. As sensibilidades dos testes para anticorpos IgM, variaram entre 27,1% [15,3-41,9] a 52,1% [37,2-66,7] em amostra de fase aguda, e 72,9% [53,8-81,3] a 97,9% [88,9-99,9] em fase convalescente. Todos os testes IgM apresentaram sensibilidades superiores em amostras de fase convalescente. Dentre todos os testes avaliados, o Dengue IgM ELISA Test (Bioeasy Diagnóstica) em amostra de fase convalescente foi o que apresentou o melhor desempenho. Em amostra de fase aguda, o melhor desempenho foi obtido quando combinamos os testes PlateliaTM Dengue NS1 Ag-ELISA (BioRad) e Dengue IgM ELISA Test (Bioeasy Diagnóstica) (76,6% [66,7-84,7]). Os resultados sugerem que testes de detecção de NS1 podem exibir sensibilidades diferentes, de acordo com o sorotipo viral e com a presença de anticorpos IgG. Além disso, nossos resultados reforçam o fato de que a utilização e os estudos de avaliação de testes diagnósticos para o dengue devem levar em consideração o perfil epidemiológico da população.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105