Análise proteômica de isolados de Leishmania (Leishmania) chagasi sensíveis e resistente à Miltefosina.

Nome: Juliana Brambilla Carnielli Trindade
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 05/04/2011
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Elenice Moreira Lemos Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Elenice Moreira Lemos Orientador
Fausto Edmundo Lima Pereira Examinador Interno
Liliana Cruz Spano Suplente Interno
Patricia Cuervo Escobar Examinador Externo

Resumo: Leishmaniose visceral (LV) é uma doença sistêmica, fatal se não tratada, causada por parasitas protozoários do gênero Leishmania complexo donovani, o qual abriga a espécie L. chagasi. O tratamento da LV conta com poucas opções terapêuticas, incluindo os antimoniais petnavalentes, anfotericina B e a miltefosina. A miltefosina foi recentemente aprovada como a primeira droga de administração oral para o tratamento da LV. Os mecanismos de resistência à miltefosina estão sendo elucidados em linhagens experimentais de Leishmania spp. resistentes a esta droga. Entretanto, os mecnaismos de resistência à miltefosina em isolados clínicos de Leishmania são poucos conhecidos. Neste estudo foi utilizada a técnica de eletroforese bidimensional acoplada à espectrometria de massas com o objetivo de destacar e identificar proteínas que são diferencialmente experessas entre formas promastigotas de isolados clínicos de L. chagasi sensíveis (S: S1 e S2) e resistentes (R: R1 e R2) Pa miltefosina, obtidos de pacientes com LV que participaram de um estudo clínico realizado no Brasil para avaliar a eficácia dessa droga. Os perfis protéicos obtidos dos isolados clínicos apresentaram em média 459 "spots" correpondendo a 5,7% dos produtos gênicos prditos para Leishmania spp. A análise comparativa entre os perfis protéicos dos isolados clínicos S e R permitiu a detecção de 80 "spots" diferencialmente expressos. Desses 18 "spots" foram encontrados exclusivamente no perfil do grupo S e apenas 1 no grupo R, enquanto 48 "spots" apresentaram diferença quantitativa na expressão protéica entre os grupos. Os demais "spots" foram encontrados em um único isolado (7 em S1, 3 em S2 e 2 em R1) ou em três isolados simultaneamente (1 em S1, S2 e R1). A análise deses "spots" por expectrometria de massas em sistema MALDI/TOF-TOF identificou 49 "spots" (61,3%), os quais correspondem a 32 proteínas distintas e 7 proteínas hipotéticas. Entre proteínas identificadas, a peroxirredoxina (expressão aumentada em R) e uma cistéino peptidase semelhante à calpaína (exclusica do grupo S) forma destacadas por indicar que os isolados resistentes são menos susceptíveis ao processo de morte celular programada. Estes dados sugerem que estas proteínas podem estar relacionadas com o fenótipo resistência à miltefosina.
PALAVRAS CHAVES: Leishmania chagasi, miltefosina, resistência, proteoma.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105