Prevalência de Neisseria Gonorrhoeae e Chlamydia Trachomatis em homens atendidos em clínicas de DST de seis capitais brasileiras.

Nome: Marcelo Joaquim Barbosa
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 12/07/2010
Orientador:

Nomeordem crescente Papel
Angelica Espinosa Barbosa Miranda Orientador

Banca:

Nomeordem crescente Papel
Reynaldo Dietze Suplente Interno
Moises Palaci Examinador Interno
Mauro Romero Leal Passos Examinador Externo
Angelica Espinosa Barbosa Miranda Orientador

Resumo: Objetivos: Determinar a prevalência de Neisseria gonorrhoeae (NG) e Chlamydia trachomatis (CT) e identificar fatores demográficos, comportamentais e clínicos correlacionados a essas infecções em homens atendidos em seis clínicas de DST no Brasil. Métodos: Estudo multicêntrico, em corte transversal realizado em homens que procuraram atendimento em clínicas de DST. O estudo incluiu clínicas de DST em seis cidades distribuídas nas cinco macrorregiões do Brasil, 2004/2005. Coletou-se 20 ml do primeiro jato de urina para testar NG e CT por DNA-PCR. Resultados: Um total de 767 (92,9%) homens foi incluído no estudo. A mediana de idade foi de 24 (DIQ2130) anos. A prevalência de infecção por CT foi 13,1% (IC95% 10,7%-15,5%) e por NG 18,4% (IC95% 15,7%-21,1%). A prevalência de co-infecção foi 4,4% (IC95% 2,95%-5,85%). Os fatores identificados como sendo independentemente associados com a infecção por clamídia no modelo final de regressão logística foram: ser jovem (15-24 anos) [OR=1,4 (IC95% 1,01-1,91)], apresentar corrimento uretral ao exame [OR=4.8 (IC95% 1,52-15,05)], verrugas genitais [OR=3,0 (IC95% 1,49-5,92)] e história prévia de corrimento uretral [OR=2,4 (IC95% 1,11-5,18)]. As variáveis associadas com gonorréia foram: ser jovem (15-24 anos) [OR=1,5 (IC95% 1,09-2,05)], apresentar corrimento uretral ao exame [OR=9,9 (IC95% 5,53-17,79)], verrugas genitais [OR=18,3 (IC95% 8,03-41,60)] e úlcera ao exame clínico [OR=4,9 (IC95% 1,06-22,73)]. Conclusões: Estes resultados mostram implicações importantes na realização de diagnóstico e tratamento precoces para evitar a transmissão, complicações e implementação de medidas de educação em saúde direcionadas aos homens e deve ser estimulado o oferecimento de testes de rotina, para DST, nos serviços.
Palavras chaves: Chlamydia trachomatis; Neisseria gonorrhoeae; fatores de risco; estudo multicêntrico; DST.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105