Avaliação do uso de anti-sépticos bucais para redução da taxa de contaminação de culturas de micobactérias em amostras de escarro de pacientes com suspeita de tuberculose.

Nome: Renata Lyrio Peres Nóbrega
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 03/04/2009

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Antonio Ruffino Netto Examinador Externo
Elenice Moreira Lemos Suplente Interno
Ethel Leonor Noia Maciel Orientador
Moises Palaci Coorientador
Reynaldo Dietze Examinador Interno

Resumo: A busca de Sintomáticos Respiratórios (SRs) é uma importante estratégia para a detecção de novos casos de TB. Apesar da importância do diagnóstico clínico e da baciloscopia, a cultura continua sendo o padrão-ouro para o diagnóstico definitivo da tuberculose. No entanto, a contaminação da cultura com outros microrganismos da microbiota oral, que contaminam o meio de cultura impedindo a multiplicação dos bacilos, afeta o diagnóstico da doença, principalmente em pacientes paucibacilíferos. Uma estratégia utilizada para minimizar a presença de bactérias contaminantes e fungos que fazem parte da microbiota oral é o uso de anti-sépticos como complemento à higienização bucal. Esse estudo se propõe a avaliar através de um ensaio clínico pragmático a eficácia de métodos de anti-sepsia intrabucal na redução do número de organismos contaminantes em culturas de pacientes SRs. Para isso, foram avaliados 120 pacientes. No primeiro dia da coleta os pacientes foram orientados a realizar a higiene bucal com água (grupo controle). No dia seguinte, os mesmos pacientes foram selecionados aleatoriamente em dois grupos de estudo para realização da segunda coleta de escarro: 59 pacientes realizaram a higienização com o anti-séptico digluconato de clorexidina (CHX) e 61 pacientes fizeram a anti-sepsia com o cloreto de cetilpiridínio (CPC). Adicionalmente, foi avaliado o uso de uma concentração maior do antimicrobiano PANTA (1X e 2X) no meio MGIT. A taxa de contaminação encontrada nas amostras dos pacientes que utilizaram o anti-séptico CHX foi significativamente menor que a observada nas amostras dos pacientes que fizeram a higienização bucal somente com água, principalmente nas amostras inoculadas no meio MGIT (p= 0 0391). Para as amostras controles inoculadas no MGIT utilizando PANTA 2X foi observada uma diminuição significativa da taxa de contaminação das culturas (p=0,0039). Esses resultados sugerem que a higienização com o anti-séptico clorexidina auxilia na diminuição da taxa de contaminação das culturas de micobactérias. Além disso, foi demonstrado que o uso de PANTA (2X) no meio MGIT ajuda na diminuição do índice de contaminação das culturas dos pacientes SRs.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105