Desempenho da pesquisa de anticorpos anti-Leishmania (Leishmania) amazonensis, por citometria de fluxo, no diagnóstico da Leishmaniose Tegumentar Americana.

Nome: Jauber Fornaciari Pissinate
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 31/08/2006
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Elenice Moreira Lemos Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Elenice Moreira Lemos Orientador
Fausto Edmundo Lima Pereira Examinador Interno
Luiz Carlos Pedrosa Valli Examinador Externo

Resumo: O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho da pesquisa de anticorpos anti-L. (L.) amazonensis, por citometria de fluxo, no diagnóstico da leishmaniose tegumentar americana (LTA). Inicialmente, foi realizada a padronização do método, a partir da qual foram estabelecidas as condições que permitiram discriminar entre a reatividade de IgG de pacientes portadores de LTA e de indivíduos saudáveis. Posteriormente, para avaliar a aplicabilidade e o desempenho da metodologia no diagnóstico da LTA, foram utilizados soros de 69 pacientes com diagnóstico sorológico positivo para LTA, sendo 59 de pacientes com leishmaniose cutânea e 10 com leishmaniose mucosa. Como controles, foram também avaliados 34 soros de indivíduos saudáveis e 50 soros de pacientes portadores de diferentes doenças infecciosas, incluindo leishmaniose visceral (LV), doença de Chagas (DC), malária (MAL), hanseníase (HAN) e esporotricose (ESP). As amostras de soro diluídas (1:1.000 a 1:128.000) foram incubadas com promastigotas fixadas de L. (L.) amazonensis, posteriormente incubadas com anti-IgG humano marcado com FITC diluído 1:4.000 e analisadas no citômetro de fluxo. Os resultados foram expressos como o percentual de parasitos fluorescentes positivos (PPFP) para cada amostra individual, estabelecendo PPFP=25% como ponto de corte entre pacientes com LTA e indivíduos saudáveis. A análise do desempenho do teste mostrou sensibilidade de 99% e especificidade de 100% quando foram avaliados como controles apenas soros de indivíduos saudáveis. Entretanto, a análise do teste com soros de pacientes com LV, DC e MAL mostrou uma alta reatividade cruzada com essas infecções, causando uma queda dos índices de especificidade de 100% para 70%. Devido a essa reatividade cruzada, foi avaliado o desempenho da pesquisa de subclasses de IgG no diagnóstico da LTA. Com relação às subclasses de IgG, foi encontrada reatividade significante apenas para IgG1 e IgG3. A análise comparativa do desempenho da metodologia para a pesquisa de IgG, IgG1 e IgG3 mostrou sensibilidade de 96%, 88% e 100%, e especificidade de 54,5%, 63% e 65%, respectivamente, quando no grupo controle foram incluídos soros de pacientes com LV, DC e MAL. Com base nesses dados, podemos concluir que essa metodologia pode ser utilizada como ferramenta alternativa para o diagnóstico da LTA.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105