Detecção de metapneumorvirus humano em crianças com bronquiolite viral aguda em hospital de referência no município de Vitória-ES

Nome: Rômulo Goronci SantAna
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 11/01/2007
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Liliana Cruz Spano Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Fernando Couto Motta Examinador Externo
Liliana Cruz Spano Orientador
Reynaldo Dietze Examinador Interno

Resumo: A Bronquiolite Viral Aguda (BVA) é a principal infecção aguda do Trato Respiratório Inferior (TRI) em crianças menores de 12 meses de idade. Vários vírus estão associados à BVA, como vírus respiratório sincicial (VRS), parainfluenzavírus (PIV) 1 e 3, rinovírus, adenovírus (AdV), coronavírus, influenza (Flu), bocavírus e metapneumovírus humano (hMPV). O VRS é o agente mais prevalente na BVA, seguido por hMPV, principalmente em crianças menores de um ano. O hMPV parece ter uma distribuição sazonal que se sobrepõe à do RSV, sendo então possível a ocorrência de co-infecção. O objetivo deste estudo foi verificar a prevalência de hMPV em crianças menores de um ano com BVA assistidas no setor de emergência de um hospital público de referência pediátrica na cidade de Vitória, Espírito Santo. Foram obtidos aspirados de nasofaringe de 215 casos durante os meses de março a setembro de 2004 e de 2005. Amostras de 167 casos foram testadas para presença de VRS, PIV, AdV e Flu através de reação de imunofluorescência indireta (RIFI) utilizando o Respiratory panel 1 Viral Screening & Identification KitTM (Chemicon International). A presença de hMPV e VRS foi testada de 210 e de 198 casos, respectivamente, através de Reação em Cadeia pela Polimerase após Transcrição Reversa (RT-PCR) seguida por semi-nested PCR. O RNA viral foi extraído a partir de 250 µl dos espécimes respiratórios através da metodologia de TRIzol™ (Life Technologies®), de acordo com as instruções do fabricante, e submetido a ensaios de RT-PCR para hMPV e VRS, utilizando iniciadores específicos para o gene N do hMPV e para gene G do VRS na PCR e na semi-nested PCR, após síntese de cDNA com iniciadores randômico ou específicos, respectivamente. No grupo de 167 amostras testadas por RIFI, 2 (1,2%), 3 (1,8%), 4 (2,4%) e 107 (64,5%) dos pacientes foram positivos para AdV, PIV 1, PIV 3 e VRS, respectivamente. O hMPV e VRS foram detectados por semi-nested PCR em 13,8% (29/210) e em 67% (133/198) dos casos, respectivamente. Em 8,6% (17/197) das amostras foram detectadas co-infecção de VRS e hMPV. Os resultados obtidos neste estudo mostram o hMPV como segundo agente mais freqüente em crianças menores de um ano com BVA, em conformidade com estudos prévios. Estudos posteriores esclarecerão o papel da co-infecção entre hMPV e VRS na gravidade da BVA. Além disso, análise filogenética das amostras positivas para hMPV e VRS permitirá identificar quais os genótipos circularam em nossa região no período em estudo.
PALAVRAS-CHAVES: Infecções respiratórias em crianças; Bronquite em crianças; Vírus; Doenças respiratórias infantis.

.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105