Avaliação do efeito da associação do Antimoniato de Meglumina e Desoxicolate de Anfotericina B e da atividade anti-Leishmania de uma nova formulação de Anfotericina B na Infecção Experimental com Leishmania (Leishmania) chagasi.

Resumo: Apesar da descoberta da ação leishmanicida dos antimoniais pentavalentes ter sido o fato de maior impacto na terapêutica da leishmaniose visceral (LV), seus efeitos tóxicos e o longo tempo de tratamento ainda limitam seu uso. Como droga de segunda escolha é utilizado o desoxicolato de anfotericina B, um antibiótico com alta atividade anti-Leishmania, sendo seu uso também restrito em virtude de sua alta toxicidade. Portanto, o grande desafio ao longo dos anos tem sido o desenvolvimento de novos medicamentos ou novas formulações de drogas já existentes, bem como a utilização de terapia combinada. Neste sentido, a proposta deste estudo foi a avaliar o efeito da associação do antimoniato de meglumina e desoxicolato de anfotericina B (DAMB) e da atividade de uma nova formulação de anfotericina B (CAMB) na infecção experimental com L. (L.) chagasi. Os ensaios in vitro foram realizados utilizando macrófagos peritoneais murinos infectados com L. (L.) chagasi tratados com diferentes concentrações das drogas. A atividade das drogas foi determinada pela porcentagem de macrófagos infectados tratados em relação ao controle não tratado. Para avaliar o efeito da combinação foi utilizado o método da Razão Fixada Modificado e para classificar as interações foram utilizados como ponto de corte a média dos ΣFICs de 0,5 e 4. Os resultados demonstraram que a associação entre o antimoniato de meglumina e DAMB foi aditiva, com ΣFIC variando entre 0,65 e 1,02 para a CI50. Na análise in vitro da atividade de CAMB utilizamos como controle o DAMB e nossos resultados demonstraram uma atividade semelhante entre as duas drogas, com CI50 de 0,017 e 0,021 µg/mL para CAMB e DAMB respectivamente, no entanto apresentou uma menor citotoxicidade em relação ao DAMB. Nos experimentos de infecção in vivo a CAMB não apresentou atividade quando administrada por via oral utilizando as doses de 1 e 5 mg/kg/dia durante 15 dias; enquanto que DAMB administrado por via intraperitoneal mostrou-se altamente eficaz, sugerindo que o uso de doses mais elevadas e vias alternativas de administração da CAMB ainda devem ser avaliadas para confirmar esses achados.
PALAVRAS-CHAVES: Leismania chagasi; Anfotericina B; Antimoniato de meglumina

Data de início: 2007-02-01
Prazo (meses): 25

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Aluno Mestrado Aretha Molina Sesana
Coordenador Elenice Moreira Lemos
Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe, Vitória - ES | CEP 29043-900