FATORES RELACIONADOS À ADESÃO AO TRATAMENTO ANTIRRETROVIRAL EM SERVIÇO DE ATENDIMENTO ESPECIALIZADO

Nome: Kamila Tessarolo Velame
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 28/03/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Crispim Cerutti Junior Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Aloísio Falqueto Examinador Interno
Crispim Cerutti Junior Orientador
Sandra Fagundes Moreira da Silva Examinador Externo

Resumo: Introdução: A adesão é uma das variáveis principais nas quais os serviços de saúde podem interferir para aumentar a eficácia do tratamento. Diversos fatores podem contribuir para uma boa adesão ou garantir uma adesão adequada. Objetivo: Verificar os níveis de adesão ao tratamento antirretroviral e os fatores associados a ela. Método: Estudo descritivo de delineamento transversal baseado em levantamento de prontuários. Para tanto, foi utilizado um questionário composto de informações sociodemográficas e clínicas de pacientes com idade entre 13 e 59 anos atendidos em um serviço de atendimento especializado nos anos de 2007 a 2014. Foi realizado o teste do Qui-quadrado para verificar a associação do desfecho com as variáveis categóricas. As variáveis contínuas foram comparadas pelo teste t de “Student” (dois grupos). Resultados: Treze variáveis foram analisadas no modelo bivariado, sendo elas: sexo (p=0,63), idade (p=0,14), idade de descoberta (p=0,12), cor da pele (p=0,12), estado civil (p=0,4), escolaridade (p=0,03), ocupação 1 (p=0,8), ocupação 2 (0,35), fonte de infecção (p=0,21), tempo de diagnóstico do HIV – meses (p<0,001), caso de aids (p<0,001), carga viral (p=0,04) e história prévia de infecção oportunista (p=0,9). Das treze variáveis analisadas no modelo bivariado, seis foram selecionadas para o modelo multivariado (p<0,20): idade de descoberta (p=0,12), idade (p=0,14), cor da pele (p=0,12), escolaridade (p=0,03), tempo de diagnóstico do HIV (p<0,001) e caso de aids (p<0,001). Das seis variáveis selecionadas para o modelo multivariado, permaneceu significante o fato de o paciente ter aids (p<0,001). Conclusão: Ter aids reduz a probabilidade de não adesão ao tratamento antirretroviral em cerca de 92%. Os resultados indicam que o indivíduo que é sintomático adere melhor à terapia.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe, Vitória - ES | CEP 29043-900