Avaliação de diferentes metodologias para o diagnóstico do Dengue

Resumo: A dengue é a arbovirose de maior incidência no mundo e endêmica em quase todos os continentes. Cerca de dois terços da população mundial vive em áreas infestadas de mosquitos vetores do Dengue, especialmente o Aedes aegypti. O controle da doença é complexo devido a inexistência de vacina, tratamento específico e pela existencia de transmissão transovariana no vetor. São conhecidos 4 sorotipos distintos (DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4). A infecção por qualquer um dos sorotipos provoca uma doença de amplo espectro clínico, que pode variar desde uma infecção assintomática ou oligossintomática, até formas mais graves que podem levar ao óbito. A Organização Mundial de Saúde estima que existam cerca de 50 milhões de pessoas infectadas em todo o mundo. Desta forma, um diagnóstico precoce é essencial para o suporte e tratamento sintomático do paciente, além do monitoramento epidemiológico visando o controle vetorial. Existem diversas metodologias para o diagnóstico da dengue, porém, diferenças observadas nos formatos desses ensaios, no tipo de antígeno utilizado e nos sistemas de detecção, dificultam a estimativa do valor de cada teste. Sendo assim, este estudo tem como objetivo avaliar e comparar o desempenho de diferentes testes disponíveis para o diagnóstico do Dengue.

Data de início: 2010-08-02
Prazo (meses): 24

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Aluno Mestrado Camila Giuberti de Souza
Coordenador Elenice Moreira Lemos
Pesquisador Reynaldo Dietze
Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe, Vitória - ES | CEP 29043-900