ESPOROTRICOSE NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: UM ESTUDO DE TRÊS
DÉCADAS.

Nome: Antonio Luiz de Oliveira Cáus
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 27/08/2013
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Aloísio Falqueto Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Aloísio Falqueto Orientador
Angelica Espinosa Barbosa Miranda Suplente Interno
Crispim Cerutti Junior Examinador Interno
Lucia Martins Diniz Examinador Externo
Rita Elizabeth Checon de Freitas Silva Suplente Externo

Resumo: Introdução:A Esporotricose é uma doença infecciosa causada pelo Sporothrix schenckii, fungo dimórfico de distribuição universal, caracterizada por lesões nodulares dos tecidos cutâneo e
subcutâneo de homens e animais, com envolvimento linfático adjacente. Trata-se de uma doença rara,que carece de informações sobre sua epidemiologia e características clínicas no estado do Espírito Santo. Materiais e métodos: Estudo descritivo de uma série histórica, delineado para identificar o perfil clínico e pidemiológico da Esporotricose humana no estado do Espírito Santo a partir dos dados dos pacientes portadores da doença atendidos no serviço de Doenças Infecciosas do Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes (HUCAM), no período compreendido entre julho de 1982 e junho de 2012, utilizando informações de seus prontuários médicos para a construção do banco de dados. Resultados:Entre os 171 casos de
Esporotricose humana incluídos no estudo, a maioria era do sexo masculino (80,70%) e de cor branca (89,16%) e a mediana de idade encontrada foi de33(DQ: 24 -47) anose cinco meses. Todos executavam atividades ocupacionais ou de lazer envolvendo contato direto com solo ou plantas (por exemplo, agricultura e jardinagem). Houve maior tendência de concentração de casos na região montanhosado estado, correspondente à região Serrana, nos períodos mais quentes e chuvosos. A evolução da doença até seu diagnóstico definitivo durou, em média, três meses(DP: dois a dez meses), sendo a forma linfocutânea a mais comum (70,17%), seguida pela forma cutânea fixa (28,65%), e a mão foi o principalponto de inoculação inicial do agente etiológico (26,32%). O diagnóstico foi estabelecido em 93,57% dos casos a partir da visualização do crescimento de colônias de S. schenckiiem meio de cultura ágar Sabouraud dextrose, sendo o restante feito pelas características clínicas da doença. A aspiração de secreção de nódulo cutâneo foi, comparativamente, o melhor método de coleta de espécime
clínico para diagnóstico da doença. Solução de Iodeto de Potássio a 25% (SKI 25%) foi o tratamento administrado a quase todos os pacientes (98,83%) com sucesso terapêutico. Houve
uma perda de seguimento de 36 (21,05%) casos, aos quais também foi atribuída a cura das lesões. Conclusões: Este estudo apresenta dados de crucial relevância para o Espírito Santo ao evidenciar umadoença infecciosa que, apesar de rara, é endêmica no estado, pouco
conhecida e faz diagnósticos diferenciais importantes com outras doenças também endêmicas nesta região.
Palavras-chave: Sporothrix; Esporotricose; Epidemiologia;Brasil.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe, Vitória - ES | CEP 29043-900