REVISÃO Sistemática do Intervalo de Tempo de Infectividade Após Início do Tratamento em Pacientes Com Tuberculose Pulmonar

Nome: Ilaman Armand Xavier
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 03/04/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Moises Palaci Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Crispim Cerutti Junior Examinador Interno
Ethel Leonor Noia Maciel Examinador Externo
Moises Palaci Orientador

Resumo: O sucesso do controle da tuberculose depende de uma prevenção precoce e eficaz da transmissão do Mycobacterium tuberculosis a partir de doentes infectantes. A falta de clareza quanto ao tempo da negativação do escarro e a expulsão de Mycobacterium tuberculosis viáveis após o início do tratamento sob condições pragmáticas compromete o controle necessário da doença. Este estudo buscou determinar o período limite de infectividade da TB pulmonar após o início do tratamento através de uma revisão sistemática no período de janeiro de 1970 até janeiro de 2017. As fontes de dados foram MEDLINE, LILACS, EMBASE e a formulação da pergunta foi sintetizada pelo acrônimo P.I.C.O. As buscas renderam 11.920 registros. Após análise dos títulos, resumos e remoção das duplicatas, foram incluídos 60 artigos. Os estudos selecionados foram divididos em três grupos em relação ao período de tempo necessário para a negativação da cultura e baciloscopia. O primeiro grupo resume os estudos em que o lapso de tempo de infectividade da TB não ultrapassa 14 dias apos o início do do tratamento. O segundo grupo representa 6 estudos que revelam evidências de transmissão de bacilos viáveis após mais de 14 dias do início do tratamento. O terceiro grupo reune 16 estudos em que a infectividade da TB foi comprovada além de 3 semanas do início do tatamento, sendo 21 e 59 dias considerados como os periodos mínimo e máximo de liberação de bacilos viáveis, respectivamente. A média e mediana estão estimadas em 37,12 e 36,5 dias. Fatores como carga bacilar inicial elevada, acometimento pulmonar bilateral, e a forma cavitária são os mais indexados e representam um maior impacto. O tabagismo, a idade avançada, a diabetes mellitus, o alcoolismo, a infecção pelo HIV, o sexo masculino e a desnutrição representam fatores de grande importância pois também excercem um papel crucial na persistência da positividade após o início da terapia anti-TB. Este estudo demonstrou que os pacientes portadores de TB pulmonar que iniciam o tratamento com múltiplas drogas permanecem altamente infecciosos por muito mais tempo do que se acredita convencionalmente. Seria pragmático definir um tempo fixo como limite de não infectividade, dado o fato que existem situações específicas que afetam a dinâmica dos bacilos após o início do tratamento. Considera-se de grande importância a reconsideração dos protocolos de isolamento dos pacientes procurando levar em conta os fatores influenciadores e considerar os pacientes caso por caso.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe, Vitória - ES | CEP 29043-900