ALCOOLISMO E Strongyloides stercoralis: INVESTIGAÇÃO DE POSSÍVEIS FATORES ASSOCIADOS À MAIOR PREVALÊNCIA DO NEMATÓIDE EM ALCOOLISTAS CRÔNICOS

Nome: Steveen Rios Ribeiro
Tipo: Tese de doutorado
Data de publicação: 17/02/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Fausto Edmundo Lima Pereira Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Aloísio Falqueto Examinador Interno
Daniel Claudio de Oliveira Gomes Examinador Interno
FABIO RIBEIRO BRAGA Examinador Externo
Fausto Edmundo Lima Pereira Orientador
Gustavo Rocha Leite Examinador Externo

Resumo: Introdução. Strongyloides stercoralis (Bavay, 1876) é um nematóide intestinal que pode proliferar no hospedeiro, produzir autoinfecção e persistir por décadas, sem nova exposição à infecção exógena. A prevalência do parasita no Estado é mal conhecida. Prevalência mais elevada de S. stercoralis em pacientes alcoolistas crônicos do que em não alcoolistas, atendidos no mesmo hospital, tem sido relatada, mas existem dúvidas se existe maior infecção nos alcoolistas, por maior exposição ao parasito ou se a maior sobrevivência e fecundidade das fêmeas no duodeno aumentaria a chance de encontro de larvas nas fezes. Objetivos. Avaliar: (a) a prevalência de S. stercoralis no Estado em amostras de escolares de 7 a 14 anos e amostras de pacientes atendidos nos diferentes ambulatórios do Hospital Universitário C. A. Moraes (HUCAM) e do Hospital Concórdia em Sta. Maria de Jetibá; (b) a prevalência do parasito em amostras de alcoolistas e não alcoolistas no Serviço de Gastroenterologia do HUCAM e do Hospital Concórdia; (c) o número de larvas rabditoides de S. stercoralis nas fezes de alcoolistas e não alcoolistas; (d) os anticorpos IgG anti-S. stercoralis no soro e os linfócitos Treg (Treg) no sangue periférico de alcoolistas e não alcoolistas; (e) a utilização do método da PCR convencional em amostras de fezes de alcoolistas e não alcoolistas para confirmar a diferença da prevalência observada entre os dois grupos. Métodos. Amostras de fezes foram analisadas ou pelo método de Baermann-Moraes ou HPJ, em amostras dos quais foi feita a contagem de larvas; a pesquisa de anticorpos anti-S. stercoralis soro foi feita por ELISA (AccuDiagTM Strongyloides IgG ELISA Kit, Diagnostic Automation/Cortez Diagnostics, Inc, California, USA); a pesquisa de LTreg no sangue periférico foi feita por citometria de fluxo; e a PCR com utilização de sondas para amplificar sequências específicas do DNA ribossômico (número de acesso Gene Bank: AF279916). Resultados. Prevalência de S. stercoralis foi de 0,47% nos escolares e 1,17 nas amostras dos pacientes atendidos nos dois Hospitais. Maior prevalência de exame parasitológico de fezes positivo para S. stercoralis foi evidenciada nas duas amostras de alcoolistas e não alcoolistas pelas técnicas parasitológicas ou por detecção de DNA do parasito nas fezes. Foi maior a prevalência de sorologias positivas para S. stercoralis em alcoolistas do que em não alcoolistas. Nos alcoolistas infectados com S. stercoralis, a eliminação de larvas nas fezes foi significativamente maior do que em não alcoolistas; nos pacientes infectados com S. stercoralis, alcoolistas ou não, houve aumento de LTreg no sangue periférico, comparados com o grupo controle, mas sem diferença entre os alcoolistas e não alcoolistas. Conclusão. O Estado do Espírito Santo pode ser considerado uma região endêmica para S. stercoralis. Maior prevalência de exames parasitológicos positivos, confirmada pela PCR e maior prevalência de anticorpos anti-Strongyloides em alcoolistas, do que em não alcoolistas, confirma que o uso abusivo do etanol favorece a infecção com S. stercoralis. A maior eliminação de larvas pelos alcoolistas sugere maior carga parasitária ou maior fecundidade das fêmeas no duodeno. Pacientes, alcoolistas ou não, com S. stercoralis e alcoolistas sem o parasita mostraram aumento de LTreg no sangue periférico, mas o uso abusivo do etanol não potencializou esse aumento nos alcoolistas com o parasito.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe, Vitória - ES | CEP 29043-900